185
roteiros
124
cidades

Fíji para mochileiros ou viajantes econômicos

É até difícil imaginar, mas Fíji é um país que recebe MUITOS mochileiros e viajantes mais econômicos! Acho que o marketing dos grandes e...

Estados Unidos muito além de Miami, Disney e NY – Parte 01

Se você nos acompanha pelo Instagram, já deve saber que estamos passando 38 dias no oeste dos Estados Unidos, explorando Parques Nacionais e outros cantinhos naturais muito bem preservados pelos americanos. Estamos agora no Arizona!

Polinésia Francesa (Tahiti, Bora Bora e muito mais)

Taí um destino que faz parte da listinha de desejos de grande maioria dos viajantes. Muitos, ainda, sonham com Bora Bora ou alguma outra...

Sardenha: o paraíso!

A Sardenha é uma ilha – mais precisamente um verdadeiro paraíso – localizada no Mediterrâneo a oeste da Itália, país a qual pertence. Ela não...

Montanhas Rochosas

O VamosPraOnde partiu rumo às Montanhas Rochosas Canadenses para explorar cenários que fogem do comum. Queríamos ir além das dicas de revistas, além do turismo padrão, além da multidão. E conseguimos!

3 dias em Torres del Paine (dia 2)

11 de Dezembro de 2014
0 comentários 5.233 visualizações

A chegada no EcoCamp foi perfeita. Depois de uma ótima noite de sono, estávamos prontos para começar a explorar Torres del Paine.

Dia 2 – Trilha ao French Valley

French Valley

Acordamos bem cedo com uma chuvinha de companhia. Em Torres del Paine chuvas e ventos (principalmente os ventos) são bem frequentes – você provavelmente irá se encontrar com ela em algum momento da viagem – mas fique tranquilo que elas normalmente são passageiras. O dia é muito variável: normalmente temos sol, chuva, vento e às vezes até neve no mesmo dia.

Às 7:00hs já estávamos no Domo Restaurante para tomar o café da manhã: pães quentinhos, ovos mexidos, queijos, peito de peru, frutas, chás, bolos e café. Fizemos um lanche reforçado pois o dia seria longo.

O EcoCamp fornece também almoço, e para aqueles que passarão o dia todo fora – como era o nosso caso – oferecem uma variedade de alimentos para que você prepare seu próprio lanche para viagem. Logo ao lado do restaurante havia uma área com uma grande mesa cheia de queijos, tomate, frango, pimentão… tudo o que se pode imaginar para montar um super sanduíche. Pegamos pães e tortillas e fizemos 3 sanduíches cada, e ainda pegamos duas maçãs – nada de passar fome ;) Os sanduíches são embalados no filme plástico e depois colocados em um Ziplock, que levamos conosco em nossas mochilas. Pegamos mais uns snacks de frutas secas, barrinhas de cereal, enchemos nosso camel back e estávamos prontos para partir.

A trilha do dia seria ao French Valley – ou Vale do Francês – e estávamos super ansiosos! Todo dia existem duas opções de passeios pelo Parque e você pode escolher a sua preferida. Normalmente há uma mais puxada e outra mais tranquila. Existem vários tipos de programas no hotel, como o Muti-esportes, no qual há travessias de caiaque, rotas de bike e passeios à cavalo; Safari, entre outros.

Começamos saindo do Ecocamp com a van, que nos levou até o Lago Pehoé para uma travessia de barco (empresa Hielos Patagonicos) até o alojamento e área de camping Paine Grande (uma ótima opção de hospedagem para a primeira ou última noite dos mochileiros que fazem o Circuito W; lá existem ótimos banheiros, refeitório e ainda há uma vista linda do lago).

De lá começamos nossa caminhada. Seriam cerca de 10km até chegarmos no Topo do French Valey. A chuva já havia parado e o tempo estava começando a abrir. A sorte estava do nosso lado!!

O percurso que faríamos seria mais ou menos como mostra a imagem abaixo, incluindo ainda cerca de 2km de subida após o Acampamento Italiano (tiramos a foto desse mapa já no meio do caminho, mas o início é ali onde há Refugio Paine Grande indicado).

mapa

Caminhamos por um bom tempo passando por lagos incríveis e diferentes vegetações enquanto aprendíamos um pouco sobre as plantas e os pássaros da região – a nossa guia, Sarah, sabia um pouquinho sobre tudo!

Assim que começamos a subir, enquanto o sol aparecia, pudemos ver o Lago Pehoé do alto, com um tom de azul impressionante. A viagem começou a nos lembrar bastante aquela que fizemos no verão canadense em 2013, pelas Montanhas Rochosas – outro destino indescritível.

Caminhamos mais um pouco e chegamos ao Lago Scottsberg – que não é azul como o outro, tem uma tonalidade bem mais escura, mas refletia as montanhas a seu redor de um jeito maravilhoso, e acabou nos rendendo fotos lindas! Já havíamos caminhado por 2,5km, praticamente de subidas (mas não achamos muito cansativo, pelo contrário, a paisagem é tão linda que quase não percebíamos o esforço – não fomos muito rápido também – parávamos um pouco para observar e fotografar).

Caminhamos mais 5km de subidas, descidas e uma subida mais forte no final e atravessamos uma ponte pequena sobre um rio cheio de pedras, onde algumas pessoas haviam parado para almoçar admirando a paisagem e aproveitando o sol que tinha resolvido aparecer.

Do outro lado da ponte estava outra área de acampamento, o camping do Francês – essa já bem mais simples que a primeira pela qual passamos, com banheiros públicos e sem uma base de alojamento.

Agora era a hora da subida de verdade, onde começávamos a trilha final do Vale do Francês – e caminharíamos por mais cerca de 2,5km.

Passamos por algumas partes mais difíceis, em meio a muitas pedras, e outras mais tranquilas. A vista, entretanto, era sempre incrível: à nossa frente tínhamos as montanhas e a geleira, formando um cenário maravilhoso, enquanto atrás, pra nossa surpresa, estava o lago Nordenskjold com um tom azul turquesa inexplicável. Tudo muito lindo.

Mas o melhor foi chegar ao mirante do Vale do Francês e poder ver o lago quase completo, lá de cima. O vento estava forte mas foi o momento perfeito para comermos nosso almoço, admirar a paisagem e recuperar as energias para a volta.

De lá conseguíamos ver, de um lado, três lagos, o Nordenskjold, o Pehoé e o Lago Del Toro (aquele azul escuro ao fundo).

Captura de Tela 2014-12-06 às 16.54.00

Do outro, um contraste incrível, uma grande geleira e montanhas nevadas.

Tínhamos ainda outros 10km (em sua maioria de descida) pela frente – dessa vez, quase sempre de frente para os três lagos. O sol já estava mais forte e a paisagem foi ficando cada vez mais incrível.

Esse é um passeio em que não se pode demorar muito – é importante manter um bom ritmo. O último barco sai do refúgio pelo lago Pehoé às 18:30hs.

O retorno ao Lago foi tranquilo e passou bem mais rápido. Mas o cenário não cansava de nos surpreender..

Chegamos no local um pouco mais cedo e aproveitamos para curtir um pouco aquela região do lago – que cedo, com a chuva estava quase branco e agora tinha um tom azul escuro surpreendente. Até vimos algumas pessoas mergulhando ali (apesar da água ser de geleira e consequentemente super gelada) – mas descobrimos que é proibido pois eles acabaram levando uma “bronca” de um dos guardas do Parque.

Fizemos novamente o passeio de barco, de volta ao estacionamento onde estava a van do Ecocamp e retornamos ao hotel. No caminho, mais lagos surpreendentes apareceram, nos dando vontade de parar o carro o tempo todo. Passamos pelos lagos …… e vimos diversas lhamas pelo caminho, no alto das montanhas sozinhas, algumas em bando espalhadas próximas à estrada, outras pareciam ter escolhido o local ideal para uma foto: super elegantes no alto, bem próximo à lua que já havia nascido. Essa volta fechou o passeio com chave de ouro.

Chegamos no hotel cerca de 20:30hs. O dia ainda estava lindo. Podíamos ver as Torres livres das nuvens e o Ecocamp sob o sol.

Ecocamp

Aproveitamos para sentar na varandinha do nosso Domo, que tinha exatamente a vista das Torres e tomar um chá bem quentinho – apesar do sol, ventava e fazia frio!

Nos reunimos em seguida com outros hóspedes para um momento muito especial no hotel: drinks e petiscos (muuito gostosinhos, tínhamos queijos, torradinhas, presunto de parma, etc). Nesse momento também, os guias reúnem os grupos de seus programas e definem a programação do dia seguinte, explicando tudo com um enorme mapa aberto na sala.

Nós já havíamos decidido a programação do dia seguinte: uma caminhada de 22km até a base das torres mais famosas do Parque. Sairíamos às 08:00hs.

Jantamos com um casal de americanos que passou o dia conosco. Muito simpáticos, cheio de histórias pra contar. Esse é mais um ponto muito interessante do Ecocamp, é muito fácil fazer amigos e interagir com as pessoas que estão se hospedando por ali!

Continue lendo…

Gostou desse post? Compartilhe com os amigos!