185
roteiros
124
cidades

Fíji para mochileiros ou viajantes econômicos

É até difícil imaginar, mas Fíji é um país que recebe MUITOS mochileiros e viajantes mais econômicos! Acho que o marketing dos grandes e...

Estados Unidos muito além de Miami, Disney e NY – Parte 01

Se você nos acompanha pelo Instagram, já deve saber que estamos passando 38 dias no oeste dos Estados Unidos, explorando Parques Nacionais e outros cantinhos naturais muito bem preservados pelos americanos. Estamos agora no Arizona!

Polinésia Francesa (Tahiti, Bora Bora e muito mais)

Taí um destino que faz parte da listinha de desejos de grande maioria dos viajantes. Muitos, ainda, sonham com Bora Bora ou alguma outra...

Sardenha: o paraíso!

A Sardenha é uma ilha – mais precisamente um verdadeiro paraíso – localizada no Mediterrâneo a oeste da Itália, país a qual pertence. Ela não...

Montanhas Rochosas

O VamosPraOnde partiu rumo às Montanhas Rochosas Canadenses para explorar cenários que fogem do comum. Queríamos ir além das dicas de revistas, além do turismo padrão, além da multidão. E conseguimos!

Petra, Jordânia

08 de Abril de 2016
5 comentários 1.544 visualizações

Petra na Jordânia

Petra é uma famosa cidade de arenito localizada na Jordânia. Ela foi construída por um povo beduíno chamado Nabateus, e é uma das novas sete maravilhas do mundo.

A cidade é completamente impressionante e cheia de curiosidades – uma delas, é que ela foi construída de cima pra baixo! As escavações nas pedras começavam da parte superior e iam descendo, até chegar no chão e estarem enfim finalizadas. Em curtas palavras, o teto era feito antes do chão hehe!

Além de casas, foram construídas grandes túmulos, que se assemelham a palácios e são verdadeiras obras de arte. Simplesmente incrível!

linha pontilhada

Nossa chegada em Petra

Para ir a Petra, nós fechamos um tour saindo de Israel, por 250 dólares por pessoa. O valor pode assustar um pouco, mas cobre todas as despesas (tirando o que você consumir em Petra ou na parada no meio do caminho). Ele inclui o transporte do hotel até a fronteira (e vice-versa), as taxas da fronteira tanto do lado de Israel quanto da Jordânia, transporte da fronteira até Petra (e vice-versa), entrada no parque com visita guiada mais um almoço num restaurante buffet, do lado de fora do parque. Nós fechamos o tour com o Louis, um argentino que mora em Israel há bastante tempo – além de hebraico ele fala espanhol e inglês.

Se somássemos todos esses valores separadamente, daria bem próximo ao valor que pagamos pelo tour. Só a entrada no parque, por exemplo, custa 90 dinares (cerca de USD 135,00). Obs: quem fica mais tempo por lá, tem desconto nos dias seguintes.

Fronteira entre Israel e Jordania

O trajeto de Israel a Petra, apesar de um pouco cansativo, foi bem tranquilo e bem curioso. A paisagem é super diferente de tudo o que eu já tinha visto.

Não tivemos problema algum na fronteira, nem na entrada na Jordânia nem no retorno para Israel. Mas realmente, todos passam por várias verificações e é comum existir alguma demora. Vimos um garoto que viajava sozinho ser praticamente interrogado em vários pontos da fronteira por várias pessoas diferentes. Chegamos depois dele e saímos bem antes, tadinho. Mas enfim, acho que a fronteira será sempre uma surpresa!

Nosso dia em Petra

Chegamos em Petra ansiosíssimos! A cidade é completamente impressionante e estávamos loucos para explorá-la.

As duas principais atrações de Petra são o Treasury e o Monastery.

O Treasury fica relativamente no começo do Parque (após passar por um cânion bem estreito – lindíssimo). Esta é a construção que aparece no filme Indiana Jones.

O treasury em petra

A vista de lá é espetacular! As rochas possuem vários tons de vermelho, e é difícil de acreditar que no meio do deserto, a muitas centenas de anos atrás, alguém pudesse construir algo tão bonito e complexo! É uma verdadeira obra de arquitetura, com uma construção que certamente levou vários anos pra ser feita, com um projeto belíssimo! A foto não mostra nem 1% do que é ver esse lugar ao vivo!

Após passarmos pelo Treasury, chegamos a uma espécie de descampado, com um anfiteatro romano de um lado, e diversas construções do outro, entre elas uma Igreja Bizantina, mostrando os diversos povos que passaram por lá, influenciando os Nabateus.

Estas construções são bem impressionantes e bonitas, apesar de menores que o Treasury ou o Monastery. Como não tínhamos muito tempo, não conseguimos subir até elas – pra quem fica mais de um dia por lá, é parada obrigatória!

Petra

Após passarmos por esta área, chegamos no início da subida (alguns diriam peregrinação hehe) até o Monastery. São cerca de 800 degraus, que, com o calor que estava fazendo (algo entre 35 e 40 graus) e o clima extremamente seco, se tornam MUITO cansativos.

Aqui cabe um parênteses. Ao fecharmos o tour, o responsável pela venda nos falou que o guia só levaria até o Treasury, mas que de lá poderíamos seguir sozinhos até o Monastery, bastando avisar ao guia sobre isso. Quando o avisamos, já no Treasury, ele nos disse que não poderíamos ir, que não havia mais tempo, etc. Como nós não abríamos mão de ir até lá, negociamos com ele e resolvemos que pegaríamos um taxi pra encontrar o grupo no restaurante para de lá voltarmos a Israel, mesmo que perdêssemos o almoço. Então fica a dica: se optarem por um tour, assim que chegarem no parque avisem o guia que querem ir ao Monastery, para evitar mal entendidos.

Voltando à saga do Monastery… O caminho para lá estava bem cansativo, principalmente pelo calor. Vários jordanianos passava pela gente com burrinhos, oferecendo transporte aos turistas (impressionante como eles sobem as escadas!) e negociando um preço ali na hora mesmo.

Nós ficamos com um pouco de pena dos burrinhos (como eles sobrevivem naquele calor e ainda aguentam uma subida cheio de peso em cima?) e resolvemos seguir a pé mesmo.

Caminhamos o que parecia uma eternidade… O calor era intenso, a subida puxada e nossa perna – que tinha que dar passos rápidos devido ao pouco tempo que tínhamos – já não obedecia mais! Bem cansados e já quase chegando, acabamos com pena de nós mesmos hehehe. Não queríamos desistir mas não conseguíamos correr mais Foi aí que passou um garotinho de uns doze anos com dois burrinhos choramingando que “contratássemos” o transporte com ele. Negociamos um valor de 10 dólares pros dois, pra irmos até lá em cima. As crianças lá são muito divertidas, se arriscando em todos os idiomas possíveis! Foi bem interessante fazer esse final de subida com os burrinhos e o garoto (mas deu pena, confesso).

De repente chegamos ao tão esperado Monastery, que é ainda mais impressionante que o Treasury. A melhor parte é que tem uma lanchonete lá em cima, onde tomamos um suco de laranja natural e compramos água gelada! Foi aquele momento em que tudo parecia uma miragem mas era real!

Monastery em Petra

Petra

Nota: gente, acho que a subida nem é tão intensa assim como pareceu pra gente, pois estávamos andando bem acelerados, mas o calor é real. Ou surreal. Levem muita água, passem muito protetor solar e parem nas sombras para recuperar a energia, ok?

Bom, após restaurarmos as energias, rodamos um pouco lá por cima, indo em umas grutinhas que rendem boas fotos do Monastery. Ainda tem mais coisa pra ver, mas como estávamos com tempo contado e tínhamos que percorrer um longo caminho de volta, tivemos que nos apressar um pouco.

Como estávamos bem cansados e não tínhamos muito tempo, pegamos uma charrete (cerca de U$30) na metade do caminho, já depois do Treasury. Essas charretes são uma opção pra quem tem dificuldades de locomoção e quer conhecer Petra, já que dá pra ver pelo menos uma das atrações principais.

charrete em Petra

Saímos então do parque, pegamos um taxi e encontramos o grupo no Petra Magic Restaurant, com um bufezinho bem honesto, que caiu como uma luva depois de um dia inteiro de caminhada. Antes de voltar pra Israel, o guia ainda deu uma volta por Aqaba, a cidade que fica na fronteira com Eilat.

O retorno foi tranquilo e no fim do dia estávamos de volta a Israel.

Considerações

O ponto alto de ter escolhido fazer o tour é sem dúvida não precisar se preocupar com a logística – principalmente o transporte fronteira – Petra – fronteira (o namorado teve lá em 2008 e negociou diretamente com os taxistas lá na fronteira mesmo).

O ponto baixo é que como tinha horário pra tudo, acabou ficando meio corrido, já que se fôssemos sem guia, poderíamos ficar pelo menos mais umas duas horas por lá.

Pra quem tiver mais tempo, pode ser interessante ficar dois dias em Petra e conhecer tudo com calma. Um amigo esteve lá em janeiro e dormiu uma noite numa tenda beduína no deserto de Wadi Rum e disse que foi incrível. Deve realmente ter sido uma super experiência!

linha pontilhada

Gostou desse post? Compartilhe com os amigos!
  1. Gean Catsiorchis 04/11/2016

    Vocês têm o contato do guia?
    Grato

  2. Raphael 07/05/2016

    Oi! Excelente relato. Vcs ainda tem o contato da agência?! Grato

  3. MARCIO 03/05/2016

    Show. Post Maravilhoso! Me ajudou demais.

  4. […] Jordânia. A localização de Eilat é super estratégica para quem está em Israel e quer conhecer Petra, no país […]

  5. Heitor Sima 09/04/2016

    Petra é maravilhosa! Este relato me fez reviver a emoção que senti ao visitar esta jóia!