185
roteiros
41
países
124
cidades

Fíji para mochileiros ou viajantes econômicos

É até difícil imaginar, mas Fíji é um país que recebe MUITOS mochileiros e viajantes mais econômicos! Acho que o marketing dos grandes e...

Estados Unidos muito além de Miami, Disney e NY – Parte 01

Se você nos acompanha pelo Instagram, já deve saber que estamos passando 38 dias no oeste dos Estados Unidos, explorando Parques Nacionais e outros cantinhos naturais muito bem preservados pelos americanos. Estamos agora no Arizona!

Polinésia Francesa (Tahiti, Bora Bora e muito mais)

Taí um destino que faz parte da listinha de desejos de grande maioria dos viajantes. Muitos, ainda, sonham com Bora Bora ou alguma outra...

Sardenha: o paraíso!

A Sardenha é uma ilha – mais precisamente um verdadeiro paraíso – localizada no Mediterrâneo a oeste da Itália, país a qual pertence. Ela não...

Montanhas Rochosas

O VamosPraOnde partiu rumo às Montanhas Rochosas Canadenses para explorar cenários que fogem do comum. Queríamos ir além das dicas de revistas, além do turismo padrão, além da multidão. E conseguimos!

Como ir ao icônico The Wave (Coyote Buttes North) no Arizona

16 de Maio de 2017
5 comentários 209 visualizações

O The Wave é mais um daqueles lugares icônicos que vez ou outra vemos fotos circulando nas redes sociais e nos perguntamos se existem mesmo. Obras da natureza como essa são tão diferentes e intrigantes que não tem jeito, sempre rola uma duvidazinha se tem algum truque de edição de foto por trás.

Fizemos várias pesquisas para tentar descobrir se o The Wave, ao vivo, seria como as fotos mostram – e acabamos chegando à conclusão que sim, o lugar existe e é desse jeitinho mesmo, como se fosse de outro mundo!

Quando começamos a planejar nosso roteiro pelo oeste dos Estados Unidos, incluímos logo o destino, mas foi apenas através de mais pesquisas que descobrimos que o privilégio de ver o The Wave ao vivo não é pra qualquer um. Apenas 20 sortudos por dia recebem, por motivos de conservação, a permissão para fazer a trilha até ele.

Esse post faz parte do detalhamento da nossa viagem de 38 pelos Estados Unidos. Saiba mais nos links abaixo:

A loteria para o The Wave acontece em dois momentos: o primeiro, online e com 4 meses de antecedência, garante a permissão a 10 pessoas; já o segundo, pessoalmente e no dia anterior ao da trilha, garante a permissão às outras 10.

Tentamos a loteria online em janeiro através do site https://www.blm.gov/az/paria/lotteryapply.cfm?areaid=2 (US$5 por application), mas alguns dias depois recebemos o e-mail informando que infelizmente não tinha sido dessa vez. Em todo caso, deixamos uma folguinha no nosso roteiro para encaixar o The Wave caso nossa sorte fosse melhor na loteria ao vivo.

Obs: Na loteria online, você paga US$5 e pode aplicar pra 3 dias diferentes. Rolando a tela pra baixo, você consegue ver o número de pessoas que já aplicaram para cada dia disponível. Sendo selecionado, você tem 14 dias para confirmar e pagar o seu permit online. Nos sábados, o número de pessoas chega a 400!

Chegamos ao Visitor Center de Kanab, no Utah, às 8:30h da manhã – havíamos lido que o sorteio acontece diariamente (do meio de março ao meio de novembro) às 9h e que o ideal seria chegar meia horinha antes.

Obs: caso você esteja em Page, AZ, como nós estávamos, e siga para Kanab no dia do sorteio, não se esqueça que o Utah está uma hora à frente do Arizona: então 8:30h em Kanab é 7:30h em Page!

Lá estávamos nós, em meio a outras 163 pessoas, preenchendo nosso cadastro (é um por grupo e os grupos podem ter no máximo 6 integrantes).

Recebemos o número 31 e aguardamos até as 9h, quando o sorteio começaria. Eram 62 cadastros. Pra nossa surpresa, o segundo número sorteado foi exatamente o 31!! Nem acreditamos! Vocês precisavam ver nossa empolgação ehehe!

Mais 2 números foram sorteados. Ao todo fomos 3 casais mais uma família de 4 pessoas.

Nos reunimos na salinha do sorteio junto ao funcionário, que nos entregou nossas permissões, após o pagamento da taxa de acesso de US$7 por pessoa, e uma espécie de mapa com as instruções para chegarmos no The Wave.

Ficamos cerca de 30 minutos conversando. Ele nos explicou que a trilha não é tão simples como a gente normalmente espera. Além de não ser delimitada, o clima seco e o calor do deserto, combinado às baixas temperaturas do entardecer, avacalham com muitos turistas despreparados. No ano passado, 4 pessoas morreram no trajeto de desidratação e cansaço após se perderem no caminho de volta. Entretanto, ele garantiu: “não é pra se assustar! Estudem bem o mapa, levem um GPS e 4 litros de água por pessoa. Não se esqueçam do chapéu e casaco. Vai dar tudo certo!”

Então assim fizemos! Marcamos os pontos da trilha no GPS, estudamos as imagens e as indicações fornecidas pelo Visitor Center e, no dia seguinte, seguimos viagem.

Dica! Após o sorteio para o The Wave, ocorre um novo sorteio, para o Coyote Buttes South. Essa loteria é bem mais fácil, pois poucos sabem da sua existência. Apesar de por lá não existir uma formação rochosa tão impressionante quanto a Wave, a paisagem é bem semelhante e interessante. Acho que vale a pena, para não perder a viagem e conhecer um lugarzinho novo e especial.

A trilha em Coyote Buttes North – Rumo ao The Wave

Saímos cedinho de Bryce Canyon, onde tínhamos passado a noite, para começarmos a trilha por volta das 7-8h da manhã (o horário que nos foi recomendado). Se você quiser acampar mais perto, recomendo o Bryce Zion Camping (apenas para dormir mesmo, mas ele não é perto de nada, rs). Não acampamos por lá, mas vimos a estrutura da estrada e pareceu interessante. Veja as avaliações no Trip Advisor.

Levamos uma mochila com lanches, água e casacos quentinhos, kit de primeiro socorros e head lamp por precaução. A gente ainda não sabia muito bem o que esperar. :)

Dirigimos por uma estradinha de terra até chegarmos no estacionamento. Não quero dar muitas instruções a partir desse ponto para não estimular o acesso ilegal ao local. Guardas podem aparecer para conferência a qualquer momento e a multa pode ser bem alta. Não à toa, vimos apenas outras 18 pessoas, além da gente, por lá.

Placa no início do The Wave

Seguindo instruções, colocamos uma identificação com a permissão de acesso no parabrisa do carro, levamos outra presa na mochila e preenchemos o livro de acesso com nossas informações e contatos de emergência.

Do estacionamento até o The Wave foram cerca de 5km feitos por nós em 1h e 40 minutos mais ou menos, com calma e muitas paradas para observar o caminho e memorizar a volta. Andamos em partes de areia fofa e subimos e descemos pequenos morros e dunas de areia.

Abaixo você vê um vídeo nosso de 17 segundos mostrando um pouquinho do local.

Consideramos a caminhada bem tranquila, na verdade – as instruções e os pontos do GPS ajudaram muito!

O caminho tem várias paisagens impressionantes mas é a chegada no The Wave que te deixa sem palavras! A gente mal conseguia acreditar no que via. Ele é desse jeitinho mesmo, exatamente como mostram as fotos.

Andando pela The Wave

The Wave, UT|AZ

O único ponto confuso na trilha, pra gente, foi exatamente a chegada nesse famoso cartão postal. Ao entrar no corredor do The Wave, você deve virar à esquerda, subir a rampinha a sua frente e olhar pra trás.

Nos encontramos com 12 pessoas nesse local e a reação foi a mesma com todas: após virar pra trás do topo do morrinho, todo mundo fazia Ohhh Wow! O visual é mesmo incrível!

Fizemos um lanchinho por lá e retornamos, cerca de 2h depois. Demoramos aproximadamente 2hs também para a volta – que foi feita com mais calma e mais paradas para fotos.

Em alguns momentos, parece fácil se perder mesmo, mas as coordenadas e as instruções ajudam muito. Chegamos no estacionamento por volta das 14hs e voltamos pra Bryce – super felizes e realizados, ainda sem acreditar na sorte imensa que tínhamos tido!

linha pontilhada

Observação:

Fizemos essa trilha em maio, com uma temperatura agradável e bastante vento. Se você fizer essa trilha no verão, vá preparado para um calor intenso! Saia logo na primeira luz do dia para evitar a caminhada ao meio dia. Chegando no The Wave por volta das 8h, você consegue voltar às 9h e as 11h já está no estacionamento. Beba muita água e leve um chapéu ou lencinho que mantenha a cabeça refrescada – não há sombras na trilha! Não se esqueça, ainda, de deixar uma garrafinha de água extra no carro para a volta! O calor no deserto é inexplicável.

Podem deixar suas dúvidas aqui nos comentários que a gente responde logo, logo!

linha pontilhada

E.. já que você leu até aqui, que tal dar uma forcinha e seguir a gente nas redes sociais?

Nossa página no face tem fotos, dicas e links dos principais posts aqui do blog.

O instagram tem atualizações diárias das nossas andanças pelo mundo e é nosso principal canal de interação com vocês!

Já o YouTube tá aí pra que vocês nos conheçam melhor e acompanhem a emoção que é viver de blog, explorando o mundo mês a mês!

Beijo,

Quel

Gostou desse post? Compartilhe com os amigos!
  1. Horácio Crispim 16/05/2017

    Raquel, primeiro de tudo, parabéns pelos textos e fotos.

    Tenho uma dúvida: vc acha que tem mais chance de ganhar a loteria na internet ou ao vivo?

    • Raquel Furtado respondeu Horácio Crispim 17/05/2017

      Oi Horácio,

      Normalmente para os finais de semana, o número de pessoas interessadas pela internet chega 400, enquanto ao vivo vimos 160 pessoas. O importante é tentar primeiro na internet e depois ao vivo, para aumentar as chances :-)

  2. Helder Ribeiro 16/05/2017

    Oi Raquel, tudo bem?
    Vocês foram ao Visitor Center em um dia para o sorteio e a visita foi no dia seguinte. É sempre assim? O sorteio é sempre para a permissão de visita no dia seguinte?
    Abraços,
    Helder

    • Raquel Furtado respondeu Helder Ribeiro 17/05/2017

      Isso mesmo! A não ser na baixa temporada, quando não abrem nos finais de semana e o sorteio para a trilha de domingo tb ocorre na sexta-feira!

  3. […] Conseguimos a permissão!!! Chegamos às 8:30h no Visitor Center para tentar a sorte. Junto de outras 165 pessoas nos […]