185
roteiros
124
cidades

Como chegar e o que fazer em St Gallen, Suíça

Em janeiro de 2019 fiz uma viagem deliciosa de quase um mês pela Suíça. Dentre as cidades que visitei está St Gallen. Não entendo porque ela ainda não ficou famosa entre os brasileiros.

Meus 7 dias em Tromso + Aurora Boreal!

Nem acredito que realizei esse sonho: ver a Aurora Boreal <3! Foi tudo ainda mais mágico do que eu esperava. Quem acompanhou os posts e os stories no nosso Instagram durante essa minha viagem para Tromso em janeiro/2018...

Como chegar à Machu Picchu

Machu Picchu é um destino maravilhoso! Recomendamos muito que você reserve um espacinho na sua agenda para conhecer esse lugar especial. Machu Picchu representa...

Fíji para mochileiros ou viajantes econômicos

É até difícil imaginar, mas Fíji é um país que recebe MUITOS mochileiros e viajantes mais econômicos! Acho que o marketing dos grandes e...

Estados Unidos muito além da Flórida e NY: Explorando o Oeste

Se você nos acompanha pelo Instagram, já deve saber que estamos passando 38 dias no oeste dos Estados Unidos, explorando Parques Nacionais e outros cantinhos naturais muito bem preservados pelos americanos. Estamos agora no Arizona!

O que fazer em Lima

28 de novembro de 2017
0 comentários 2041 visualizações
escrito por Raquel Furtado

você está lendo Lima no Peru

Em novembro de 2017 retornei ao Peru para uma presstrip de 5 dias à convite da TL Portfólio. Essa foi a minha terceira vez nesse país que tanto me encanta! A viagem foi realizada em parceria com nossa agência de turismo do coração, a Greenwich Tours, a operadora Enigma (que representa o Peru) e a secretaria de turismo do país, PromPeru. O objetivo foi conhecer um pouquinho de Lima – o que inclui a hotelaria, a gastronomia e a história -, assim como explorar o incrível Sol y Luna (um hotel extremamente especial em meio ao Vale Sagrado) e, claro, o cartão-postal Machu Picchu.

Reunimos os relatos dessa experiência maravilhosa nos seguintes posts:

  • Um dia em Lima
  • Onde se hospedar em Lima
  • Tudo o que você precisa saber para ir a Machu Picchu
  • Onde se hospedar para visitar Machu Picchu
  • Por quê você precisa conhecer o Sol y Luna, localizado no Vale Sagrado, no Peru
  • Faça o bem: a maravilhosa fundação Sol y Luna idealizada por Petit.

Nesse post, dividimos com vocês nosso dia na capital.

 

Um dia em Lima

Começamos nosso dia enfrentando um super trânsito (verdade, é INTENSO) desde o aeroporto até o nosso hotel.

Fachada Hotel B em Lima

Nos hospedamos no Hotel B Lima, localizado em Barranco – um bairro bem “trendy” na cidade. Nele encontramos bares, baladas e muitas galerias de arte e museus, como o Mate (um museu de fotografias de Mário Testino), o Pedro de Osma (esse de arte colonial) e a charmosa “galeria de lojinhas” Dedalo (ela está praticamente em frente ao hotel, não deixem de conhecer!).

Mapa de Lima, no Peru

Barranco (indicado no mapa pelo ícone verde) é seguro, boêmio e repleto de construções antigas, o que confere um charme super especial à região.

O hotel não poderia ser diferente: um casarão ( já foi até casa de veraneio de um presidente peruano) que há 3 anos faz parte da hotelaria limeña. Mantendo a coerência com Barranco, é um hotel boutique estilosérrimo e uma verdadeira galeria de arte.

Bem ao lado do hotel temos uma linda vista para o mar do Pacífico – mas nem se empolgue muito com a praia – a temperatura da água é 17 graus Celsius. Logo abaixo está a praia Barranquito, uma das muitas da Costa Verde, que se estende por Lima.

Bom, nossas atividades na capital começaram com um almoço. Não poderia ser diferente, né, afinal é difícil falar em Lima e não pensar em gastronomia.

Restaurantes em Lima

De uns tempos pra cá, a cidade foi decretada pelos gourmets do mundo todo como a maior jóia gastronômica da América do Sul.

Não à toa, é exatamente em Lima que estão os 2 melhores restaurantes da América Latina: o Maido, do Micha e o Central, do chef Virgilio Martínez.

foto dos chefs dos dois melhores restaurantes em lima

Imagem do site: theworlds50best.com

Não tive a oportunidade de conhecer nenhum desses dois estabelecimentos super renomados, mas fomos a uma incrível Picanteria do chef Héctor Solis, considerado por muitos limeños um dos melhores do Peru.

O La Picanteria é um restaurante informal no estilo das antigas picanterias nortenhas, onde são oferecidos pratos tradicionais para dividir – daí o nome desse estilo de restaurante. Picar, em espanhol, é compartilhar.

O menu se repete diariamente: são 9 pratos feitos com os peixes do dia (esses sim, variam). Tudo muito, muito fresco. Para os peruanos, peixe só deve ser comido fresco, bem fresco MESMO. À noite, por exemplo, eles já não estão assim – por esse motivo o restaurante só abre para almoço e fecha as 17hs. Na tradição peruana não é costume comer peixe à noite.

Nosso cardápio foi o seguinte:

  • Língua estufada
  • Ceviche de Champignon com batata doce para vegetarianos
  • Causa norteña de lagosta (DIVINO)
  • Conchas a lá parrilla (vieiras)
  • Ceviche de chita (o nome do peixe)
  • Pescado al ajo crocante
  • Pescado a lá parilla
  • Arroz Del Norte (arroz com mariscos, como uma paella peruana)
  • Pulpo a la parrilha
  • Sopa de peixe (chilcano nome da sopa)

Tudo simplesmente maravilhoso!! Se você é o tipo de pessoa que valoriza uma boa comida (foi na verdade uma experiência gastronômica mesmo) e gosta de conhecer lugares típicos e pouco turísticos, recomendo muito a La Picanteria. Mas já vá preparado para o preço: ele varia dependendo do número de pessoas que vão com você (pois é preciso comprar pelo menos 1 peixe inteiro) mas em média a refeição sai a U$60 por pessoa – algo como 190 reais (inclui um drink – o pisco com maracujá fez sucesso na mesa).

Ao chegar, sugiro que passem um tempinho no bar experimentando algumas chichas – uma bebida típica dos povos indígenas da cordilheira dos andes desde o império inca. Ela é como um vinho, mas fermentada a base de milho e, às vezes, combinada a algumas frutas.

Adoramos a de maçã!

Nosso almoço durou cerca de 2 horas e alguns piscos e muitos sabores incríveis depois, seguimos para o centro de Lima.

Passeios na cidade

Fizemos um breve passeio cultural conhecendo algumas praças, como a importante Plaza San Martin, a Plaza de Armas e o Mosteiro de Dan Francisco (onde visitamos as catacumbas).

na praça San martin em lima

Aproveitamos a guia da operadora Enigma para aprender um pouco sobre a história de Lima. Ela nos contou que essa região central era super nobre, o que podemos observar pela arquitetura das construções em torno da praça. Aprendemos também que o Peru é um grande deserto e vive um processo de desertificação. Uma curiosidade triste é que em 5 séculos o país perdeu 40% de seu território agrícola – isso porque o deserto avança.

Depois desse breve tour cultural, conhecemos o maravilhoso Museu Larco, que apresenta galerias cronológicas com um panorama dos 4 mil anos de história do Peru Pré-colombiano. Apesar de não ser muito ligada a museus, me encantei com esse. Achei interessantíssimo acompanhar o progresso e as diferenças no artesanato de cada império que se estabeleceu no Peru. O museu ainda conta com um restaurante super charmoso, excelente para um lanche à tarde.

Museu Larco em Lima

O museu está localizado em Pueblo Libre e abre diariamente de 9h às 22h.

Retornamos ao Hotel B para apreciarmos o poente do terraço, após um delicioso chá da tarde. Foi lindo :)!

À noite, fomos jantar em um dos hotéis mais tradicionais da cidade, o Country Club Hotel, localizado em San Isidro – um bairro mais residencial e luxuoso.

Aprendemos a fazer um autêntico Chilcano com Pisco Peruano, apreciamos uma comida deliciosa e acompanhamos, de quebra, a vitória do Peru contra a Nova Zelândia no jogo classificatório para a Copa. Foi super emocionante ver a alegria dos limeños! (Fazia mais de 30 anos que o Peru não participava da Copa do Mundo!!).

Já de volta ao hotel, dormimos logo! No dia seguinte acordaríamos bem cedo para pegarmos um vôo rumo a Cusco e nos prepararmos para a próxima experiência: Machu Picchu.

Quando ir a Lima

Muita gente associa Lima ao tempo nublado – e é verdade. A capital do Peru se mantém cinza praticamente o ano todo, mas de meados de novembro a meados de março, você pode dar sorte de pegar lindos dias de sol (como aconteceu com a gente!).

linha para dividir posts

 

Gostou desse post? Compartilhe com os amigos!