Vamos Pra Onde?

/

Eu como montanhista: Via Ferrata e Breithorn

subindo para o Breithorn com Matterhorn no fundo

Se você me acompanha pelo meu insta @quelfurtado, provavelmente sabe que na última semana eu subi até o topo do incrível Breithorn, na região de Zermatt aqui na Suíça. A subida foi parte do projeto #PeakChallenge, cujo objetivo é inspirar mulheres a se aventurarem mais nas montanhas e na natureza. A ideia é mostrar que a gente consegue, que a gente é capaz, e o que mundo está aí cheio de belezas, só nos aguardando.

O projeto foi organizado pelo Turismo da Suíça e pela Escola de Alpinismo da Mammut (uma marca suíça de roupas e equipamentos de esportes ao ar livre). Mulheres de diferentes partes do mundo e de diferentes faixas etárias foram convidadas a participar. Foi incrível!!

Nesse texto, compartilho com vocês essa experiência de 5 dias, desde a primeira aventura, escalando uma Via Ferrata em Andermatt…

 

Montanhismo na Suíça

Vocês provavelmente imaginam a minha felicidade quando recebi esse convite. Subir montanhas, fazer atividades ao ar livre, experimentar coisas novas e contribuir de alguma forma para mostrar que nós mulheres somos fortes, é comigo mesmo! Topei na hora ;-)

Tudo começou dia 01/06/20. Eu e mais 11 mulheres incríveis nos encontramos em Andermatt e nos despedimos em Zermatt: felizes, realizadas e sem acreditar na beleza da aventura que vivemos. Fizemos treinamentos, aprendemos a usar o equipamento de alpinismo, conhecemos uma Via Ferrata, nos desafiamos pra caramba e colocamos todos nossos aprendizados em prática subindo o pico Breithorn.

A experiência começou já no planejamento da mala. Separei uma mochila de 32L para levar minhas roupas, o que foi super suficiente, + 1 mochila de 20L para levar nas trilhas. Na mala tinha: tênis de trilha com solado rígido e cano mais alto (estilo botinha), casaco corta vento, calça de trilha  e luvas.

Com tudo pronto, peguei o trem desde Lucerna e segui para Andermatt. Conheci o grupo e nossa guia Caro North. Demos um rápido passeio pela vila e fizemos o checkin no Radisson Blu Andermatt. Nossa aventura começa realmente amanhã.

Dia 01 – Via Ferrata / Zermatt (Glacier Express)

A primeira parada de hoje foi na loja da Mammut, onde pegamos nosso equipamento de montanhismo (obrigada Mammut!) para a Via Ferrata Diavolo, localizada no cânion Schöllenen.

Vias Ferratas são normalmente qualificadas em níveis, do fácil ao avançado. A Diavolo é um pouquinho desafiadora, mas confesso que prefiro assim. Adoro uma adrenalina, hehehe! Tivemos um treinamento intenso mas super divertido.

Nossa primeira aventura foi na Via Ferrata Diavolo, em Andermatt. Como falei acima, Via Ferrata é um caminho definido e preparado na parede de montanhas para facilitar a experiência de escalada. Vias Ferratas tornam a experiência mais segura e acessível porque contam com cabos de aço (em que vc se pode se manter preso, o tempo todo), pinos de ferro e algumas vezes até degraus e escadas, por isso são super recomendadas para iniciantes.

Em seguida, pegamos o famoso Glacier Express para um viagem de trem panorâmico de Andermatt a Zermatt. Ao chegar, fizemos o check-in no BaseCamp Hotel e jantamos por lá.

Dia 02 – Zermatt / Rifugio Guide del Cervino

O dia mais  uma vez começou cedo. Fomos até à loja da Mammut, em Zermatt, para pegar nosso equipamento de montanhismo na neve e gelo. Para a subida ao Breithorn, precisamos de cadeirinha de escalada, Crampons e Machado de gelo.

 

equipamentos que usamos para subir o Breithonr

 

A cadeirinha é usada para que possamos ficar todos unidos por corda, por motivos de segurança. A subida ao Breithorn não é uma escalada em si – é mais um hike na neve com subidas íngremes -, mas essa união do grupo por corda nos ajuda a subir no mesmo ritmo e nos dá a segurança e estarmos “presas” ao guia. Ninguém fica pra trás, subimos todos juntos :)

Recebemos algumas instruções de segurança e exploramos a loja um pouquinho. Vocês sabem que sou apaixonada por roupas e itens esportivos né, rs! Acabei comprando uma mochilinha de 20L para trilhas, bike, etc. Ela tem uma regulagem ótima para se ajustar a pessoas de tamanhos diferentes, então eu e Marc podemos usá-la.

Tiramos uma clássica foto de grupo em frente a loja e curtimos um pouquinho Zermatt antes de seguirmos rumo ao Matterhorn Glacier Paradise. O ponto de partida para a subida ao Breithorn é lá – e e lá também que está o refúgio em que dormiremos essa noite.

Loja da mammut em Zermatt e nosso grupo

Subindo para o Matterhorn Glacier Paradise

A 1a gôndola para subir ao Matterhorn Glacier Paradise fica pertinho do centro de Zermatt, talvez uns 15 minutos de caminhada desde a estação de trem. Chegar ali é fácil: basta caminhar até a igreja, atravessar a ponte da igreja e seguir as placas indicativas. A gente sobre praticamente margeando o rio.

Hoje pegamos a gôndola rumo a Trockener Steg, de onde começamos um hike rumo ao Rifugio Guide del Cervino (bem na divisa da Itália com a Suíça).

Na parte da tarde, tivemos um treinamento de montanhismo.

(Distância: 2 km. Duração: aprox. 1,5 horas. Subida / descida: 300/100 metros verticais.)

Dia 03 – Breithorn

Que experiência única!! O Breithorn é um dos picos nevados, de 4.000m de altitude, mais fáceis de ser explorados aqui na Suíça (uma outra opção semelhante seria o Allalinhorn). A vista lá de cima é mágica, um panorama dos picos mais altos do Valais, incluindo, claro, o Matterhorn. Vemos muitos guias e iniciantes se aventurando no montanhismo fazendo esse percurso. Se você gostaria de experimentar um hike no gelo/neve na Suíça, recomendo o Breithorn.

Pela manhã, pegamos o teleférico para Klein Matterhorn a 3.883 metros de altitude. Nossa jornada para o Breithorn estava começando.

Caminhamos atravessando o Breithorn Plateau e seguimos por uma subida íngrime em direção ao topo. Ainda bem que aprendemos a usar os grampos e o machado de gelo para alpinismo. O trajeto demanda um certo esforço, mas a vista lá de cima fez tudo valer a pena. Ficamos por lá um pouquinho, apreciando a paisagem e comemorando essa conquista. E por fim começamos a descer. O percurso total tem 6k e durou em torno de 3,5 horas. Foram 500m de aclive.

Chegamos até a estação Klein Matterhorn, onde pegamos o teleférico de volta e retornamos para a vila de Zermatt. E assim acabou nossa viagem! Dia de voltar pra casa cheia de experiências novas na mala!

Hotéis, Transporte e Alojamentos

Foram 4 noites de projeto. A primeira foi em Andermatt para fazermos a Via Ferrata. Dormimos no Radisson Blu Andermatt, um hotel 4 estrelas delicioso! Adoraria ter mais tempo para aproveitá-lo. Quem sabe um dia eu não volto com o Marc :)?!

De lá, viajamos para Zermatt, fazendo uma parte da rota do trem panorâmico Glacier Express. Essa e a última noite da viagem foram no BaseCamp Hotel.

A terceira noite foi no Rifugio Guide del Cervino, localizado no Valle d’Aosta, bem na fronteira da Suíça com a Itália, a 3.480m de altitude. O refúgio é muito procurado por montanhistas. Ele funciona como um alojamento de quartos coletivos com 5 ou 7 camas. são 70 camas no total. A noite normalmente custa 70 euros por pessoa e inclui jantar e café da manhã. Tive uma experiência semelhante a essa em Verbier, quando fiz um tour de bike, também dormindo em refúgios. A Suíça é cheia de cabanas de montanhas com essa proposta. Acho incrível!

Deixe o seu comentário

Post Anterior
Zurich: Um Guia Completo